Baseado nas festas e estações do ano, o educador elabora suas estratégias de trabalho para desenvolver todos seus objetivos do planejamento escolar de cada ano.

As festas são comemorações de acontecimentos importantes. Antigamente, as festas aos deuses comemoravam as estações do ano (época de colheita, de plantio, etc).

Quanto às festas cristãs, “os conteúdos da revelação religiosa são colocados em imagens, de modo que as crianças possam relacioná-los com vivências e atividades. (…) Crianças de famílias que cultivam adequadamente as festas anuais parecem desenvolver-se com mais vigor e harmonia, e sua postura no mundo é de mais confiança quando elas são comparadas com crianças em cujo círculo familiar as comemorações são meramente convencionais, sem convicção interior, ou então quando nem se comemora. (…) Um fator decisivo é que os adultos não se limitem a simplesmente ‘organizar’ algo para as crianças, mas se esforcem intimamente para captar a intenção da festa. Mesmo que isto seja apenas incipiente, já conferirá um suporte ao aspecto exterior, sem o qual não pode ocorrer uma festa verdadeira. É importante que todos os anos esse lado exterior seja sempre o mesmo, com determinadas canções, conteúdos dos Evangelhos e hábitos festivos. As crianças gostam e necessitam da repetição de tais costumes, para o desenvolvimento de sua memória e de sua vontade.” (Wolfgang Goebel, Consultório Pediátrico, 1932, p. 439).

É importante a repetição rítmica todo ano. Essas festas marcam o ritmo do corpo físico que é natural (nosso corpo é diferente no verão, no inverno, etc). Como as crianças estão formando sua organização corpóreo-física, as festas do ano são de extrema importância para elas.

É importante salientar que antes de utilizar este planejamento como auxílio no trabalho em sala de aula, o educador deve estudar conteúdos tais como os abordados no livro “O caminho de Cristo” de Evelyn Scheven, como também a proposta pedagógica da escola (Jardim das Amoras) onde a explicação dos princípios da Pedagogia Waldorf formam base para uma melhor compreensão e utilização desse material. Obs: Olhar também o site www.festascristas.com.br

Na realidade, é um caminho trilhado aos poucos, que procura religar o ser humano à sua essência. Essa essência pode ser chamada de EU, que tem como tarefa unir o pensar com o sentir e o agir do ser humano. Em outras palavras, alinhar o físico, o psíquico e o espiritual. Quando isso não acontece, ele sucumbe à força da mente e passa a pensar de uma maneira, agir de outra e sentir de outra ainda diferente. Assim chegam as doenças. Desta forma, saúde e educação estão interligados.

A educação, numa escola waldorf, ocorre em épocas (cada época dura três a quatro semanas). A cada ano, esse ritmo anual se repete.

A vivência do ritmo faz com que a criança tenha, entre outras coisas, confiança no mundo, nas pessoas. É fazendo com que ela vivencie concretamente e intensamente o ritmo (por isso a importância da repetição) que ela entenderá seu pequeno mundo. Por isso, quanto menor a criança, mais importante é para ela manter sua rotina diária, na escola e em casa. O que traz segurança e bem estar à criança, são as atividades diárias, os hábitos de higiene, os horários, a alimentação semanal que é servida (cardápio de acordo com cada dia), saída da escola, etc.

No primeiro setênio, a qualidade que queremos desenvolver na criança é a de que “o mundo é bom”, é fundamental propiciar-lhe segurança e certeza de que cada coisa acontece em seu tempo e com uma seqüência o qual chamamos de ritmo semanal.

rotina

<Retornar

Sobre as festas cristãs