O quarto ano é o início do indivíduo na sociedade. A criança nesta idade gosta de estar com os amiguinhos da mesma idade. Escolhe os seus amigos e, na maioria das vezes tem um preferido e brinca melhor com este do que com os demais.

Suas brincadeiras já adquirem sentido social e representativo: médico, casinha, escola, supermercado. Imitam com exatidão, assumem papéis: mãe, pai, filhinho, vendedor, bandido, etc. Tem melhor controle e sabem resolver uma situação sozinhos. Pedem desculpas e com licença. Já tem noção que se pode comprar com dinheiro e fazem dinheiro de papel ou folhas – brincam de venda, etc.

O aniversário é  muito importante e falam disso com antecedência. O Natal também, e escolhem o pedido para o Papai Noel.

As proibições são mais aceitas.

Nesta idade tem mais dificuldade em acordar, querem vestir-se sozinhos, querem escolher suas roupas. Sabe distinguir frente das costas e abotoa-se corretamente; já tenta dar laços.

O sono da tarde vai diminuindo, mas é saudável que se mantenha até às 15hs um período de descanso para repousar. Não convém habituar a criança nessa idade ao uso da TV ou aparelho de som.

Na higiene participam que vão ao banheiro. Interrompem a refeição. Agora já se limpam sozinhos. Não gostam de companhia no banheiro e fecham a porta; mas gostam de ver as outras crianças no banheiro. Se acontecer de não conseguirem controlar a urina ficam chateados e choram. Tomam banho sozinhas e até podem enxugar-se.

Nesta idade engordam mais do que crescem.

São muito comuns nessa idade febres e amidalites.

No brincar, mais de três vira briga. Reparte os brinquedos com os amigos mas não com estranhos. Gostam de imitar as atividades domésticas como varrer, lavar, dobrar e passar panos.

As meninas gostam de bonecas, de vesti-las, dar banho, pentear, passear com o carrinho. São calmas, silenciosas, escolhem os cantos para não serem incomodadas. Adoram o balanço e já sabem balançar-se sozinhas.

Os meninos gostam de correr, descobrem o balanço – mas custam a se embalar sozinhos – o escorregador, a gangorra. Se apropriam em bando dos brinquedos. Gostam de cavalinhos, de capas, de fazer cabanas.

Meninos e meninas brincam juntos e assumem papéis.

Gostam de desenhar, de ver livros e de todas as atividades dirigidas pelo adulto. É uma idade harmônica. Respeitam o adulto e querem agradar. Dão flores e presentinhos.

Na mesa comem e falam ao mesmo tempo. Tem bom apetite, repetem e querem um pouco da merenda do vizinho. Tem postura e vigiam os outros, mas no meio ficam irrequietos, se levantam ou se mexem na cadeira, batem os pés no chão. Agradecem o lanche sem seriedade. Esperam os outros para pedir com licença e sair. Tem prazer em dividir o lanche, mas escolhem para quem vão dar.

Descobrem o sexo, brincam de médico.

Às vezes contam alguma coisa que aconteceu na escola, falam de um amiguinho, lembram-se dos nomes e do que fez durante o dia.

Idade da fantasia. Imitação direcionada.

É capaz de compreender o outro. Se bate em alguém chora junto; arrepende-se, pede desculpas.

A linguagem deve ter alcançado sua forma correta.

Desenho: saem do círculo e dos rabiscos. Controlam a mão e escolhem as cores.

É a fase do quadrado. Surge a figura humana com cabeça e membros como fios.

O desenho não tem muita harmonia; é sem coerência.

<Retornar

A criança de 4 anos