Maria Chantal Amarante

“Se você quer que o seu filho seja brilhante conte a ele contos de fadas, se você o quer muito brilhante conte-lhe ainda mais contos de fadas. ” Albert Einstein

Os contos de fadas são fundamentais para as crianças. São também muito bons para os adultos.

Por que os contos são importantes para as crianças? Não seria importante ler livros, para que a criança veja a importância deles? Por que utilizar contos de fadas? Como que fica a “violência” nos contos de fadas?

A alma humana tem necessidade do alimento que vem dos contos de fadas, assim como o corpo físico precisa de alimento.

Os contos trazem imagens que atuam no interior da alma, são eventos e desafios que devem ser enfrentados e superados. São elementos que trazem o que é bom e o que é ruim na vida do Ser Humano.

Na questão da violência e do mal, são realidades que as crianças, e todos nós, nos deparamos como más experiências de vida. Através do conto podemos ter forças para superar essas experiências de diversas formas. Assim damos às crianças a confiança de que os desafios podem ser superados e que não somos impotentes. Os contos de fadas estão cheios de imagens que ajudam a construir a personalidade. O fraco pode ser forte, o mal pode se transformar em bom, o feio pode se transformar em bonito, a Cinderela pode se tornar uma princesa e o sapo em um príncipe. Até as crianças menores podem perceber isso e se alegrarem em futuras vitórias. As crianças trazem as imagens dos contos nas brincadeiras, nos desenhos, em suas diversas formas de expressão.

Os contos deveriam ser contados oralmente. O calor e a atenção que colocamos quando contamos oralmente é algo que nenhum livro ao ser lido pode trazer. As crianças ouvem o conto e criam as imagens da forma que mais lhes convêm, de uma forma criativa que nenhuma ilustração de livro poderia trazer. Ao decorarmos uma história, conseguiremos estar mais presentes contando de forma oral e envolvendo as crianças com nosso olhar e gestos, conseguindo mais disciplina com o grupo. As crianças percebem que a verdade, a beleza e a bondade provêm de pessoas e da vida. A narração oral proporciona um contexto rico que depois levará a criança a ter interesse pelos livros. Pois através dos contos ela terá o prazer de ler pelo prazer de entrar nas imagens e no conhecimento que a língua e a rima trazem.

Devemos contar a mesma história por vários dias para a criança pequena conseguir entrar em todas as imagens, pois o seu processo de memorizar ainda está em construção. Por isso repetimos a mesma história e contamos por mais dias, quanto menor for a criança.

As imagens dos contos de fadas contam a história das pessoas, de todos os tempos e lugares. As imagens entram em contato com qualidades essenciais dentro da alma da criança. Contos de fadas são uma parte vital da educação moral de uma criança.

As perguntas essenciais que as crianças trazem, podem ser respondidas através dos contos e suas imagens universais. A criança se preocupa se será compreendida, se ela vai ser tratada justamente. Os contos de fadas oferecem respostas que aparecem para os adultos como fantásticas, mas na realidade imaginativa da criança, essas imagens respondem as suas questões. Para os adultos essas imagens e respostas podem parecer incorretas. No entanto, as explicações que parecem corretas aos adultos, são em geral incompreensíveis para as crianças, porque lhes falta a compreensão racional. A criança fica confusa com as explicações racionais dos adultos, ela se sente derrotada.

Não devemos interpretar os significados dos contos ou avaliá-los, comentando com crianças, moralizando a histórias. A eficácia dos contos está em vivê-los tão profundamente quanto possível. Devemos rejeitar a noção de que contos de fadas são apenas produtos da imaginação ou da fantasia. As imagens dos contos são tão importantes, pois são imagens que trazem as raízes da vida humana. Assim os contos de fadas não podem ser substituídos por qualquer literatura infantil, por material didático ou contos populares. Essas outras histórias podem também ser trazidas, mas não substituir os contos. Os contos de fadas trazem uma verdade, reflexo da natureza visível e invisível do ser Humano. Os contos são apropriados para as crianças e para pessoas de todas as idades, pois trazem a sabedoria espiritual através de uma linguagem muito simples e profunda.

Alguns pontos a considerar na preparação dos contos/histórias:
• Os educadores ou pais precisam estar familiarizados com a história, ler e se preparar antes de contar.
• Ao contar oralmente uma história, não podemos dramatizá-las (mudar o tom de voz), para que a criança possa digeri-la sem o sentimento dos adultos, mas da forma que cada criança puder.
• Ao escolher um conto ou história, o contador deve ter uma boa ligação com a história, se tiver algum incômodo, alguma imagem que lhe é desconfortável, isso não vai ser bom para a criança. Escolha outra história.
• A escolha da versão ou tradução é muito importante, quanto mais autêntico os contos de fadas melhor. Os contos dos Irmãos Grimm são os melhores para as crianças pequenas, até os 6 anos de idade. Os contos de Hans Christian Anderson são para as crianças de 7 anos acima. Os contos folclóricos e fábulas são para as crianças de 8 anos acima.
• Para as crianças maiores e mais acordadas, escolhemos contos maiores, com mais heróis e desafios.
• Para se preparar melhor, podemos ler um conto por várias noites, antes de dormir, como um alimento para o próprio adulto.
• Contar o conto com os seus detalhes, é uma forma de atrair a atenção das crianças com dificuldades de ouvir. Podemos depois de contar algumas vezes, fazer um teatro simples sobre a história com tocos, panos, bonecos. Uma forma de ter a atenção das crianças, intercalar o contar e contar com teatro.

Contos de Fadas – Qual escolher? Algumas sugestões:

Crianças de 1 e 2 anos de idade: Contos pequenos. Contos editados pela Karin Stasch. Adoram pequenas histórias de animais.

Crianças de 3 à 4 anos de idade: Contar contos de fadas que tenham elementos repetitivos e uma história muito simples. Eles adoram histórias com animais:
• O mingau doce
• Piolhinho e a pulguinha
• A velha mulher e seu porco
• O gato e o rato em sociedade
• A pequena galinha vermelha
• O rato da cidade e o rato do campo
• As moedas caídas do céu
• A espiga de trigo
• Os 3 anõezinhos do bosque
• A raposa e os gansos

Crianças de 4 e 5 anos de idade:
• O lobo e os 7 cabritinhos
• Os 3 gansos
• Os 3 porquinhos
• Mashenka e o urso
• Os anões
• Henrique preguiçoso

Crianças de 5 e 6 anos de idade: Podemos contar contos mais longos e cheios de detalhes.
• O príncipe Sapo
• Senhora Holle
• O ganso de ouro
• Chapeuzinho vermelho
• Os músicos de Bremen
• A cabana da floresta
• A rainha das abelhas
• A princesa do castelo em chamas
• O burro
• Gato de bota
• Rumpelstilzinho

Crianças de 7 a 9 anos de idade: Contos Universais, Lendas e Fábulas.

BIBLIOGRAFIA:
• A edição completa dos Contos de Fadas dos Irmãos Grimm – Gráfica e Editora Edigraf Ltda, São Paulo.
• Bettelhem, Bruno – “As utilizações de Encantamento: O significado e importância do contos de fadas”.
• Steiner, Rudolf – “Contos de Fadas”.
• Dhom, Christel – “Turn down the Magical Fairy Tale Puppets”.
• Mellon, Nancy – “A Arte de Contar Histórias” – Editora Rocco.
• Contos – Tradução de Karins Stasch – karinstasch@gmail.com – Editora Antroposófica.

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS NO JARDIM DE INFÂNCIA