(Época de recolhimento)

♫Sobe a chama, sobe a chama,
Mais alto, mais alto,
Ilumina, Ilumina,
Nossas vidas, nossas Almas ♫

O Verão nos aquece e anima para as expectativas do novo ano! Então, com sua leve brisa chega o Outono que nos oferece seus belos e saborosos frutos. Agora, manhãs mais frescas, folhas caídas e os galhos secos das árvores apontam para mais um ciclo a ser vivido, o Inverno.

Para aqueles acostumados com a claridade, calor e expansão do Verão, o Inverno pode não parecer tão agradável e amistoso. Nessa época até mesmo a natureza se recolhe, e faz isso sabiamente! Pois ainda compreende o grande ritmo da vida, onde após expandir caminha-se para o recolhimento.

E quantas descobertas podem existir por dentro deste recolher? Sementes dormindo, raízes se fortalecendo, as forças anímicas se concentrando naquilo que é profundo, o silencioso interior… Assim como a natureza, nós também estamos numa época propícia para se recolher e olharmos mais para nosso interior. Novamente, quantas descobertas podem existir por dentro deste recolher?

As histórias contam sobre um homem que através do recolhimento, do aprofundar-se interiormente, buscou ouvir a voz que fala no silêncio do coração. João Batista! Apesar de estar distante das condições que nosso inverno oferece para um tempo de recolhimento, João Batista escolheu a solidão do deserto para se recolher. Sua espiritualidade era íntegra, já desde o ventre de sua mãe. Mas, mesmo assim, ele sabia que é preciso buscar e conhecer de forma consciente o que alimenta o divino do homem, sua essência divina, a luz interior. E esse conhecimento somente é conquistado com o próprio esforço.

João Batista é um grande exemplo de como é precioso os momentos de recolhimento, e quanta sabedoria pode haver no autojulgamento, no silêncio das inquietações, na busca pela inspiração da nossa essência, nossa luz interior. Em desertos ou invernos, quando mergulhamos no profundo do coração, nossa visão torna-se mais límpida, como o céu é somente nas noites de inverno. Podemos encontrar forças para florir como os grandes Ipês nos dias frios, e até perfumar como alguns corajosos Manacás, que mesmo no Inverno, nos fazem lembrar que logo brotará a primavera.

Apesar de ser uma época tão propícia para reflexões e autoconhecimento, conceitos preponderantes no universo adulto. A vivência dessa época com as crianças do Jardim é especialmente acolhedora e cheia de imagens que simbolizam a busca pela Luz interior!

Uma lanterna, com sua pequena luz, pode iluminar a escuridão. Essa é a imagem que apresentamos para as crianças. E elas se encantam com a beleza dessa época ouvindo canções sobre a lanterna, sobre a grande fogueira que aquece e ilumina todos. Os castelos e cantinhos ficam enfeitados com bandeirinhas, balões e elementos que aludem ao inverno, mas que também lembram a luz e o calor da comunhão.

Uma festa será preparada para comemorar essa comunhão, a Festa da Lanterna! Os pais colaboram para essa atmosfera participando das oficinas de confecção da lanterna e também dos encontros musicais. Na festa é apresentado o teatro da “Menina da Lanterna”, uma representação que traz elementos com significados profundos, apresentando a trajetória da busca pela Luz que transforma nosso interior e como essa Luz nos impulsiona a ajudar a iluminar onde há escuridão.

Para as crianças é um conto de aventura e final feliz, mas para os adultos preparados e conscientes pode ser um bom alimento artístico para a alma! Após o teatro cada família vai buscar sua lanterna e todos juntos caminham e cantam, que “no céu brilham as estrelas, e na terra brilhamos nós!”.

Então para encerrar, todos se encontram diante da grande fogueira. Pequenas luzes diante da forte e calorosa luz maior!

Época da Lanterna e São João