(Época de expansão)

“Salutar só é, quando
No espelho da alma humana
Forma-se toda a comunidade;
E na comunidade
Vive a força da alma individual”.
Rudolf Steiner

O outono é o período de transição entre o verão e o inverno. Com a chegada dos ventos frios vindos do hemisfério norte, no hemisfério sul sentimos a diminuição da temperatura da terra e observamos a queda das folhas das árvores. Estes sinais da natureza nos ajudam a lembrar a importância de coletar os frutos que servirão de alimento para os dias frios de inverno.

Assim, nesta estação do ano caracterizada pelo espírito de colheita somos chamados a nos acolher em comunidade para compartilhar os frutos recebidos e pôr em prática a virtude da fraternidade. É sob este princípio que comemoramos a Época de Pentecostes, que significa quinquagésimo, em referência aos 50 dias que se sucedem depois da Páscoa.

A comemoração da festa de Pentecostes faz referência ao momento em que aos doze apóstolos de Cristo – estando todos reunidos no mesmo lugar- apareceu-lhes uma espécie de línguas de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles e começaram a falar em línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.

Desta forma, a celebração de Pentecostes representa o momento de cultivar o sentido de comunidade universal que mesmo não falando todos a mesma língua conseguimos superar nossas individualidades e passar a nos entender independentemente das diferenças linguísticas, culturais e religiosas.

Pentecostes é, portanto, a ideia de uma nova comunidade global que parte do princípio social: você se preocupa comigo, eu me preocupo com você, de modo que a interferência real do outro é o que cura todo o coletivo. De acordo com as palavras de Rudolf Steiner “O Humano em toda a sua abrangência não chega de fato a se manifestar através de qualquer ser humano isolado, nem dos membros de um povo sozinho. Manifesta-se apenas através da humanidade inteira”.

Nessa época de Pentecostes buscamos nos colocar a serviço do mundo de forma a compreender o outro e viver harmoniosamente com as diferenças. Uma imagem que usamos em nosso jardim é a de um trem que viaja por diversas partes do mundo, mostrando às crianças idiomas e culturas diferentes. Assim, fazemos a roda rítmica com esse trem, onde cada passageiro cumprimenta e canta músicas em português, espanhol, francês, alemão e inglês.

Também cantamos músicas e rodas que mostram diferentes profissões e desta maneira lembrar que o ser humano -através do seu trabalho- pode transformar sua vontade em ação e pôr ao serviço do bem de todos, para caminhar juntos em direção ao futuro, sendo amor e liberdade os norteadores dos nossos passos.

 Texto escrito por Lenny Alpízar

 Para quem quiser conhecer algumas das músicas que cantamos nessa época, deixamos o link para a nossa roda rítmica, feito pela professora Carolina Serra:
https://open.spotify.com/episode/4m3rx8pDyVGl7LP251uWv7?si=315d68f539504aca

Época de Pentecostes